é época de Páscoa!

A Páscoa é comemorada de diferentes formas no mundo inteiro, conforme cada religião. Este ano, para muitos povos, ela será passada da mesma forma, retornando ao seu verdadeiro sentido: o convívio espiritual e em família. Celebrando a importância do amor ao próximo, com cada um pedindo do seu modo por um mundo melhor e pela saúde de todos.

A história da Páscoa cristã homenageia a Ressurreição de Jesus Cristo após sua crucificação e morte, sendo uma das mais fortes tradições mundiais. Não há uma data oficial no calendário, tudo depende da quarta-feira de cinzas, onde se inicia a quaresma, 47 dias antes da Páscoa.

Alguns símbolos foram escolhidos para representá-la. Para os povos antigos, especialmente os cristãos, o coelho passou a representar a ressurreição de Cristo. Já os ovos indicam o nascimento. O costume de presentear as pessoas com ovos nasceu no Leste Europeu. Com a chegada da primavera, estação das flores, os ovos de galinha eram cozidos e decorados com tinta e representavam a colheita e a fertilidade do solo. O ovo de chocolate entrou para as tradições apenas depois do século XVIII.

Resumimos aqui um pouco da cultura de cada religião e doutrina:

Catolicismo

Jesus Cristo ressuscitou após a morte. Ou seja, o domingo de Páscoa é um dia de comemoração da vida sobre a morte ou do bem sobre o mal. A celebração começa na quinta-feira Santa, lembrando a última ceia de Cristo com os discípulos. Também é nesta data que acontece a missa de lava-pés. Na sexta-feira Santa, também chamada de Paixão de Cristo, os martírios que Jesus teve de passar são recordados – por isso alguns alimentos são evitados no cardápio dos cristãos. O sábado é o dia em que Cristo descansou em seu túmulo até que ressuscitasse no dia seguinte, que é a Páscoa.

Espiritismo

Na doutrina do espiritismo a Páscoa é uma data simbólica apenas caracterizada pela renovação interna e evolução espiritual. Não há um ritual ou culto. Para a doutrina espírita a data tem o sentido de renovação em si mesmo.

Judaísmo

A Páscoa Judaica está ligada a acontecimentos ocorridos há 3.300 anos e simboliza a libertação dos judeus do cativeiro do Egito. É a data da liberdade. Sua festa é o Pessach (Passagem). A diferença entre judeus e cristãos em relação à Pessach – Páscoa – está no que se refere ao período de comemoração, motivo e alimentação.
Este ano ela inicia na noite de 8 de abril e encerra dia 16 de abril. Durante esta festa é proibido o consumo de alimentos fermentados e se come o matzá, pão feito com farinha e água.

Evangélicos

Também consideram a semana da Páscoa uma data sagrada. O domingo representa a salvação da humanidade diante de seus pecados. Assim como os católicos, comemoram a vitória da vida sobre a morte e, acima de tudo, a volta de Jesus como o grande salvador.
A única relação da igreja evangélica com a Páscoa é a celebração da Santa Ceia do Senhor, mas essa celebração não é feita uma vez por ano, ela é feita, na maioria das vezes, uma vez ao mês. Se prega sobre a morte e ressurreição, para explicar o significado da Páscoa, mas as igrejas evangélicas não tem uma liturgia específica para a data.

Muçulmanos

A Páscoa não é comemorada pelos muçulmanos. A data mais importante para o islamismo é Ramadã, mês que foi revelado o Alcorão. Os devotos passam 30 dias em jejum. Este ano acontece da noite de 23 de abril à noite de 23 de maio.

Budismo

Também não comemoram a Páscoa, possuem seu próprio calendário e determinam suas festas. A mais importante delas é data de nascimento, iluminação e morte do Buda (que viveu aproximadamente entre 563 e 483 a.C.), conhecida como Hanamatsuri. A comemoração de todos esses acontecimentos ocorre no mesmo dia: 30 de abril.

Umbanda

Durante o período da Quaresma muitos terreiros paralisam as atividades. Na quarta-feira de Cinzas, vestem-se os Orixás da casa e cada filho de santo oferece a eles sua comida favorita. No sábado de Aleluia comemora-se o retorno dos trabalhos com os Orixás. Os praticantes se resguardam e se purificam para este momento, quando realizam uma cerimônia para chamá-los de volta.

Para cada um comemorar à sua maneira, escolhemos uma receita simples e vegana, que respeita todas as crenças. E é a Ana Paula Neri, nossa relações públicas e social media, que a compartilha aqui conosco.
Desejamos a todos paz, saúde e harmonia, nesta semana e sempre!

Receita: Pão de especiarias com avelã e chocolate

Ingredientes

1 e 1/4 xíc de farinha de trigo
1 xíc de farinha de trigo integral
1/4 xíc de açúcar mascavo
4 col (sopa) de óleo de girassol
10 g de fermento biológico seco
150 ml de água
50 g de chocolate meio amargo em lascas
20 g de avelãs quebradas e torradas
Canela e cravo a gosto
Pitada de sal

Modo de preparo:

Em um bowl, junte 1/4 xíc de farinha de trigo, o fermento e duas colheres de sopa de açúcar mascavo. Adicione aproximadamente 1/2 xíc de água morna e deixe descansar por 15 minutos ou até criar uma massa esponjosa.

Enquanto isso, em outro refratário, junte os ingredientes secos: as farinhas de trigo e integral, açúcar, sal, canela e cravo. Misture os ingredientes. Faça um furo no meio e adicione o óleo, a massa esponjosa e adicione a água morna aos poucos até a massa ficar uniforme.

Polvilhe farinha em uma bancada e sove a massa por no mínimo 10 minutos. Deixe descansar por uma hora dentro do refratário, de preferência em um lugar seco, coberto com pano de prato ou filme plástico.

Abra a massa com um rolo em formato retangular e coloque o chocolate picado e as avelãs no centro da massa. Enrole a massa, deixando em formato de rolo. Feche bem as laterais. Com uma faca, corte a massa ao meio, una uma das pontas e trance, passando uma parte da massa por cima da outra. Deixe descansar por mais 30 minutos. Unte uma forma, coloque o pão e asse no forno por 30 minutos a 240ºC.